Projeto Pedagógico do Curso

O Tecnólogo em Agroecologia será um profissional com formação técnico-científica — com visão crítica, reflexiva e ética — capaz de gerir e propor a resolução de problemas, considerando seus aspectos ambientais, tecnológicos, políticos, econômicos, sociais e culturais.

Deverá ainda ter condições de reconhecer as especificidades regionais e locais, relacionadas à sua área de atuação, contextualizá-las e correlacioná-las à realidade nacional e mundial da produção sustentável de alimentos, atuando como agente de mudança na gerência de sistemas agroecológicos produtivos.

Compreender e colaborar para organização e funcionamento dos agroecossistemas e das organizações sociais em que estiver inserido. Empreender, por meio dos conhecimentos adquiridos em sua formação, para produzir e divulgar conhecimentos, tecnologias, serviços utilizando técnicas de comunicação adequadas à sensibilização dos agricultores familiares formando-os sobre os diferentes processos e metodologias de organização social especialmente na Região Norte do País

Espera-se que o egresso do curso apresente uma visão crítica da sociedade e uma predisposição à atuação como agente transformador da realidade. Tanto nos ambientes de simulação como nos cenários reais de prática, as atividades são planejadas com atenção a aspectos humanísticos, sociais, culturais e éticos das situações vivenciadas, com espaço privilegiado para a reflexão sobre a prática.

A avaliação, nessa perspectiva, considera os ritmos e caminhos particulares que são trilhados pelos alunos, acolhendo as diferenças do processo de ensino e aprendizagem. Por esse motivo, faz-se necessário uma diversidade de instrumentos que se comunique e se complemente, possibilitando uma visão contínua e ampla das aprendizagens, que busca dialogar com uma pedagogia diferenciada, em um currículo flexível e contextualizada. Nessa perspectiva, propõe-se que o professor possa considerar as múltiplas formas de avaliação, por meio de instrumentos diversificados, os quais lhe possibilitem observar melhor o desempenho do estudante nas atividades desenvolvidas, dentre eles:

a) A autoavaliação;

b) Realização de exercícios avaliativos de diferentes formatos;

c) Participação e interação em atividades de grupo;

d) Frequência e assiduidade do estudante;

e) Participação em atividades de culminância (projetos, monografias, seminários, exposições, feira de ciências, coletâneas de trabalhos).

A avaliação de programa do Curso Superior Tecnologia em Agroecologia da EAgro/UFRR ocorrerá sistematicamente de acordo com as orientações do NDE, que irá designar uma comissão de avaliação curricular, composta paritariamente por dois membros do corpo docente, dois membros do corpo discente e dois membros do corpo técnico administrativo. A Comissão de avaliação curricular terá como função básica o levantamento de indicadores junto à academia e serviço, através de instrumentos construídos especialmente para avaliar os diversos aspectos das ações de ensino, pesquisa e extensão, e propor ao NDE as mudanças necessárias. A avaliação deverá ocorrer, também, a partir de dados gerados pelas avaliações externas: relatório emitido pela CPA (Comissão Permanente de Avaliação), ENADE e vistorias da Comissão de especialistas do MEC.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTI - Diretoria da Tecnologia de Informação - (95) | Copyright © 2006-2024 - UFRN - novo-sig-server4.jboss4